Notícias
23
Jun
2018
Brasil entra no ranking dos 10 maiores produtores de energia solar no mundo

Brasil entra no ranking dos 10 maiores produtores de energia solar no mundo

Ao menos 89% dos brasileiros querem gerar energia limpa em casa, diz pesquisa.

Mais de 60% da energia elétrica brasileira é produzida a partir de matriz hidrelétrica, um sistema antigo e que está esgotado. Historicamente o uso da água como fonte para produção de eletricidade no País se deu no final do Século 19, mas as décadas de 1960 e 1970 marcaram a fase de maior investimento na construção de grandes usinas.

Mesmo grande potencial de uso de energia renováveis, só agora no Século 21 foi que o país despertou para os recursos renováveis, como Sol, vento, biomassa e termoelétricas.

Dias 21 e 22 de junho foi realizado em Campo Grande um seminário sobre energia solar, que mostrou a percepção da polução sobre o assunto. Cerca de 89% dos brasileiros desejam gerar energia renovável em casa, 79% querem desejam instalar algum equipamento fotovoltaico para produção de energia solar, 85% dos brasileiros apoiam investimentos públicos para desenvolvimento do setor. Alguns gargalos que limitavam o crescimento doméstico dessa produção estão mudando esse cenário.

A falta de financiamento era um dos pontos principais, no entanto linhas de crédito estão surgindo para incentivar a implementação desse sistema.

Recente o BNDES mudou as regras e pessoas físicas podem investir em energia solar. O banco criou o Fundo Clima que permite financiar 80% dos itens apoiáveis ao custo final de 4,03% ao ano para pessoas físicas e jurídicas com renda até R$ 90 milhões.

Em Mato Grosso do Sul, já estão disponíveis financiamentos para aquisição e instalação de placas fotovoltaicas em residências ou condomínios residenciais por pessoas físicas foi incluído pelo Condel (Conselho Deliberativo de Desenvolvimento do Centro-Oeste) na programação do FCO e estará disponível em cerca de 30 dias, com o ajuste do sistema do Banco do Brasil.

A linha de crédito para financiamento de micro e mini geração de energia elétrica por pessoa física terá limite de R$ 100 mil em recursos com prazo de até seis anos para pagamento, incluindo a carência de até seis meses

Éder Campos

Comente essa publicação